Arquivo de parque das nações

17ª Corrida do Oriente 2018 – Foi o possível.

Posted in 2017 / 2018, As minhas corridas with tags , , on 5 de Junho de 2018 by José Pedro

doc-1

Pela segunda vez participei na Corrida do Oriente. Conheço bastante bem o percurso por ser um local onde realizo muitos treinos longos e seria a primeira vez que iria participar numa prova em circuito com duas voltas quase idênticas.

Meti-me mais na cauda do pelotão e as primeiras centenas de metros foram feitos em constante zig-zag a tentar arranjar espaço para meter o meu ritmo de forma confortável. Assim que apanhei espaço livre meti um ritmo confortável e vivo, mas foi de pouca duração. Ao passar num passadiço de madeira tive que abrandar devido ao estreitamento da via e para piorar um pouco as coisas veio logo de seguida piso irregular o que não ajudou nada a manter o ritmo. Naturalmente, quando o piso melhorou a passada tornava-se mais viva. Um pouco antes dos 5 km iniciei a segunda volta ao circuito.

5 km: 24:23 min.

Até chegar novamente à zona de piso irregular o ritmo foi sempre constante e os quilómetros foram passando sem grandes dificuldades, mas assim que o piso piorou tudo se alterou. O ritmo baixou, sentia-me desconfortável e tinha grande preocupação em colocar bem o pé. A 1,5 km da meta aproveitei a melhoria do piso para voltar a acelerar. Terminei a prova bastante bem fisicamente e muito se deveu às constantes alterações de piso que não me deixou ir todo o percurso na “red line”.

Tempo Real: 47:49 min.

Tempo Oficial: 48:07 min.

Se o percurso não for alterado penso que será a minha ultima participação nesta prova. As alterações constantes do tipo de piso e em mau estado em algumas partes do percurso exigem atenção redobrada para evitar lesões o que tira um pouco o prazer da corrida. Também faltou a marcação do quilómetros que para quem não tem relógio com gps pode ser um pouco desconfortável não saber que distância falta para terminar.

 

Anúncios

Treino para a Maratona do Porto 2017 – 15ª Semana

Posted in 2017 / 2018 with tags , , , on 25 de Outubro de 2017 by José Pedro

Maratona Porto - kms

Semana 15 – Treino 59 (Terça, 17 de Outubro): 10 km – 56:48 min.

O treino de hoje era fácil em termos de distância como de objectivos. Logo após o aquecimento pus o ritmo de maratona sem grandes problemas e assim fui até ao fim do treino.

Semana 15 – Treino 60(Quarta, 18 de Outubro): 9 km – 57:23 min.

Dia de treino lento e assim foi. A meio do treino tive que por travões que o corpo sentia-se bem e queria mais acção.

Semana 15 – Treino 61(Quinta, 19 de Outubro): 3 x 3 km c/ 3 min. rec. (13 km) – 1:11:55 h.

Mais um treino de séries longas em que o objectivo seria meter um ritmo um pouco mais rápido do que o ritmo de maratona. Depois de um bom aquecimento iniciei as séries ao ritmo desejado sem grandes problemas, apenas notei que a segunda série foi demasiado rápida e na ultima tentei controlar mais a tentação de correr mais rápido (5:10 / 5:04 / 5:13 min./km).

Semana 15 – Treino 62(Sexta, 20 de Outubro): 13 km – 1:21:14 h.

Mais um treino de recuperação feito em ritmo lento e mais uma vez tive que por travões a meio do treino. Numa semana menos desgastante as pernas querem “voar”.

Semana 16 – Treino 63(Domingo, 22 de Outubro): 23 km – 2:08:49 h

Domingo foi mais uma vez dia de treino longo. Após o aquecimento o ritmo foi subindo gradualmente até me sentir confortável e estável. A única dificuldade foi o vento contrário que apanhei nos últimos seis quilómetros, mas assim que me adaptei a essa dificuldade o ritmo voltou ao normal.

Treino para a Maratona do Porto 2017 – 9ª Semana

Posted in 2017 / 2018 with tags , , , , , , , on 15 de Setembro de 2017 by José Pedro

Captura de Ecrã (209)

Semana 9 – Treino 30 (Quarta, 6 de Setembro): 5 x 1,5 km c/ 90 seg. rec.(11 km) – 1:03:12 h

Depois de sair do ultimo treino com algumas dores no pé direito, meti-me à estrada sem saber bem que tipo de treino iria fazer. Durante o aquecimento senti-me bem e resolvia arriscar no treino que tinha planeado que seriam séries longas. Tentei meter em cada série um ritmo confortável e de preferência que fosse muito próximo do ritmo dos 10 kms. Não consegui andar no ritmo que pretendia (5:09, 4:59, 5:01, 5:00, 5:00 min./km), mas fiquei bastante satisfeito por ter sido bastante consistente e por quase não sentir dores.

Semana 9 – Treino 31 (Quinta, 7 de Setembro): 10 km – 1:03:12 h

Dia calmo com treino de recuperação. Senti durante todo o treino o corpo a querer ritmos mais vivos, mas tive que controlar essa vontade e manter sempre o ritmo baixo.

Semana 9 – Treino 32 (Sexta, 8 de Setembro): 14,5 km – 1:22:48 h

Treino em que o ritmo da maratona seria o objectivo. Depois do aquecimento o ritmo foi aumentando naturalmente até chegar ao pretendido. Foi um pouco complicado manter estável devido ao desgaste acumulado e ao forte vento que se fazia sentir.

Semana 9 – Treino 33 (Domingo, 10 de Setembro): 29 km – 2:43:18 h

Depois do desgaste e das dores que senti no treino longo anterior, abordei este treino de uma forma bastante cautelosa. Depois do aquecimento o ritmo foi aumentando de uma forma gradual e consistente até chegar a um ritmo que fosse confortável e abaixo do que tinha feito em treinos longos anteriores. Mantive o andamento estável durante largos quilómetros e sempre que me apercebia que o corpo queria mais tentava sempre contrariar essa vontade. A partir do quilómetro 22 comecei a sentir algumas dificuldades, não só tive que lidar com o natural desgaste mas também com o vento que agora era contrário e com alguma força. Para manter o ritmo o esforço estava a ser superior e as pernas ressentiam-se por este trabalho extra. Aguentei-me até aos 27 quilómetros e nos últimos quilómetros optei por ir num ritmo mais moderado e controlar o desgaste. O treino até correu bem, só não contei com o vento que foi um “adversário” de respeito.

 

Treino para a Maratona do Porto 2017 – 4ª Semana

Posted in 2017 / 2018, Uncategorized with tags , , on 22 de Agosto de 2017 by José Pedro

ParquedasNações

Semana 4 – Treino 10 (Terça, 1 de agosto): 9 km – 56:57 min.

O treino era para ser um pouco diferente, mas como me sentia desgastado do duro treino de domingo resolvi só rolar. Depois do aquecimento entrei em modo ” cruise control “.

Semana 4 – Treino 11 (Quarta, 2 de agosto): 5 km – 36:18 min.

Mais uma vez o treino de recuperação foi em ritmo muito lento em circuito de manutenção. Assim aproveitei para fazer reforço muscular em diversos aparelhos.

Semana 4 – Treino 12 (Quinta, 3 de agosto): 11,5 km – 1:04:58 min.

Mais um treino a rolar onde tentei, depois do aquecimento, meter o ritmo de maratona. O corpo como estava descansado tinha sempre tendência a acelerar e tive que ter algum cuidado para não correr o risco de fazer um treino rápido demais e com o consequente desgaste extra.

Semana 4 – Treino 13 (Sexta, 4 de agosto): 8 km – 53:09 min.

Treino em modo de recuperação, sempre em ritmo muito lento e controlado

Semana 4 – Treino 14 (Domingo, 6 de agosto): 20 km – 1:50:48 h

Dia de treino longo foi feito no Parque das Nações. Depois dos primeiros quilómetros feitos em ritmo lento para aquecer tentei estabilizar num ritmo que me fosse confortável. Felizmente ou infelizmente o corpo sentia-se bem e o ritmo foi sempre mais rápido do que pretendia. Quando cheguei aos últimos cinco quilómetros e tentei impor o ritmo de maratona é que senti o desgaste. O últimos dois mil metros já foram feitos com algum sacrifício o que é algo a retificar no futuro.

Chuva sedentária não molha desportista

Posted in 2015 / 2016, Desabafos with tags , , on 12 de Outubro de 2015 by José Pedro

Parque das Nações - Lisboa

Ontem tive um treino bastante molhado numa das minhas rotas preferidas. No decorrer do mesmo, fiquei agradavelmente surpreendido.

Se ao sair de casa pensava que ia ter um treino solitário devido ao mau tempo, enganei-me redondamente. O Parque das Nações estava repleto de corredores, caminhantes, ciclistas, turistas, peregrinos…

Ainda recordo com nostalgia os tempos em que ia correr no inverno, quem se cruzava comigo olhava-me com um olhar discriminatório, só via dois ou três corredores resistentes em que nos cumprimentávamos em sinal de solidariedade e saia de lá com a t´shirt de algodão completamente ensopada.

Ainda bem que a ” tradição ” já não é o que era e que a chuva já deixou de ser desculpa para ficar na cama em vez de se ir treinar.

A minha estatégia para a Maratona de Lisboa 2013

Posted in 2013/2014, Dicas with tags , , , , , on 4 de Outubro de 2013 by José Pedro

estratégiamaratona

A dois dias da maratona começo a pensar que estratégia irei usar na maratona de Lisboa.

Para mim tudo começa no dia anterior: refeições ligeiras, muita água, preparar equipamento e deitar cedo.

Vou levantar-me cedo e apanhar o comboio das 8 horas no Cais do Sodré. Quero chegar com tempo para descontrair, ir à casa de banho, alimentar-me, aquecer as articulações e alongar sem pressas.

O aquecimento será feito na própria corrida, 42,2 kms dá para tudo. Os primeiros quilometros são para ser feitos lentamente e em ritmo descontraido. Para não cair em exageros logo no início, vou seguir bem de perto uma “lebre” lenta que vai obrigar a gerir melhor a corrida. Quando sentir as pernas soltas, já sei que o ritmo vai aumentando e ficarei o resto da corrida por minha conta. Não é nada que não aconteca nos treinos, é algo natural e gradual, de forma a não desgastar-me rápidamente.

Como os abastecimentos são importantes também tento levar a coisa minímamente planeada. Não pretendo parar em todos os abastecimentos, a não ser que esteja muito calor ou veja que tenho mesmo necessidade.  ” Parar ” em todos os abastecimentos pode não trazer benefícios ou mesmo prejudicar o ritmo imposto.

Como tal, pretendo fazer da seguinte maneira:

5 km: água

10 km: Powerade

15 km: água + barra gel

20 km: Powerade

22.5 km: Banana

25 km: água + barra gel

30 km: água

33.5 km: água + Powerbar

35 km: Banana

36 km: água

38 km: Powerade

Por experiência própria sei que durante a corrida a estratégia pode cair completamente por terra, seja por estar a correr bem ou mal. Uma coisa é certa, sinto-me mais confiante  sabendo que a corrida vai minímamente planeada.

Os melhores locais para correr em Lisboa e arredores

Posted in 2013/2014, Dicas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24 de Julho de 2013 by José Pedro

Tornou-se moda correr em Portugal. Em Lisboa e arredores, vê-se pessoas a correr em todo o lado – de manhã, ao final da tarde, à noite – milhares de pessoas aproveitam um desporto gratuito para estarem em forma.

A zona metropolitana de Lisboa tem vários locais onde se pode correr – desde parques e jardins a outros locais, que são desconhecidos para a maioria ou nem sempre são primeiras escolhas.

matamonsanto

1. Parque de Monsanto
Este é sem dúvida um dos locais de eleição de muitos atletas pela diversidade e potencialidade que os vários trilhos e caminhos do parque oferecem a quem por eles passa. O parque é enorme e, para além da corrida, tem outras atividades e desportos que pode praticar, conseguindo assim passar um dia perfeito repleto de adrenalina e ar puro. Explore as mais-valias do “pulmão” da cidade.
Distância do circuito: 12 km | Dificuldade: 3 (1-5) | Ponto forte: Descoberta e contato com a natureza | Piso: Terra batida, empedrado e alcatrão.

Onde: Alameda Keil do Amaral, Parque de Monsanto, 2715-311 Lisboa
Como chegar: Autocarro: 711, 714, 723, 24, 729
Observações: Parqueamento fácil e grátis. Há WC e bebedouros | Horário: Livre

2. Zona Ribeirinha de Belém

Este percurso é o ideal para uma corrida matinal ou ao final da tarde. O que o distingue de outros, são as mais-valias da marginal lisboeta, com uma paisagem única dada pelo rio e pelas muitas referências Arquitectónicas que se estabelecem neste troço, tais como o museu da eletricidade, o padrão dos descobrimentos e a Torre de Belém. É uma zona ideal para corridas intervaladas, com diversos pontos de descanso e com zonas de manutenção ao longo do percurso.
Distância do circuito: 5,5 km | Dificuldade: 2 (1-5) | Ponto forte: Panorâmica e ambiente refrescante | Piso: Calçada e alcatrão

Onde: Avenida Brasília, 1300 Lisboa
Como chegar: Autocarro: 27,28,29,43,49 e 51 | Elétrico: 14 e 15 | Comboio: Belém (Linha de Cascais)
Observações: Há parqueamento grátis | Horário: Livre

 3. Parque Eduardo VII

O Parque Eduardo VII é um dos espaço mais emblemática de Lisboa e únicos pela sua localização central no culminar da famosa Avenida da Liberdade. Este paraíso “escondido” é sem dúvida uma bela surpresa quando percorrido e descoberto. A sua disposição numa encosta dificulta o percurso, o que pode não ser acessível a todos. O percurso é ideal para corrida lenta e reserva uma panorâmica única da cidade no miradouro do topo do Parque.
Distância circuito: 2 km | Dificuldade: 4 (1-5)  |  Ponto forte: Centralidade, Desafio | Piso:Calçada portuguesa e cimento

Onde: Parque Eduardo VII, 2715-311 Lisboa
Como chegar: Metro: Parque e Marquês de Pombal (linha azul e amarela) | Autocarro: 12, 22, 48, 53, 83, 713, 718, 723, 727, 738, 742, 746  | Horário: Livre

4. Jardim Guerra Junqueiro (Estrela)

Este é o famoso Jardim da Estrela, tão conhecido pelo seu belo coreto, uma peça notável e única em ferro, e pelas suas diversas áreas verdes e lagos. Este é um jardim fechado e recomendado para caminhadas ou corrida lenta. Um bom exemplo de como é possível praticar desporto e apreciar a beleza natural dentro da cidade.
Distância circuito: 680 m | Dificuldade: 1 (1-5) | Ponto forte: Circuito flexível e bem frequentado |Piso: Alcatrão

Onde: Praça da Estrela, 1200-667 Lisboa
Horário: Aberto das 7h às 24h | Área: 4,6ha
Como chegar: Metro: Rato (linha amarela) | Autocarro: 709, 713, 720, 738, 773 | Elétrico: 25E, 28E |
Observações: Utilize a rede de transportes, Parqueamento muito difícil

 5. Centro Desportivo do Jamor

O centro desportivo do Jamor é onde se situa o estádio nacional e é sem dúvida dos complexos mais completos de Lisboa para a pratica do desporto ao ar livre com circuitos de ciclismo e Btt, piscinas, circuitos de canoagem e de manutenção para todos os gostos. O Jamor para além dos circuitos de corrida tem duas pistas de atletismo, e ainda uma pista de cross. Ideal para corrida lenta, rápida, Fartlek, Intervalados entre outros.
Distância circuito: 2,7 – 6,1 km  |  Dificuldade: 4 (1-5) |  Ponto forte: Intensidade, Diversidade de percursos | Piso: Alcatrão, terra batida e relva

Onde: Praça da Maratona, 1495 Cruz Quebrada
Como chegar: Autocarro: 76 | Comboio: Cruz Quebrada (linha Cascais)
Observações: Há parqueamento grátis | Horário: Das 8 às 22 horas (balneários)

 6. Quinta das Conchas (Lumiar)

Este é um excelente espaço para todo o tipo de desporto ao ar livre, com grandes relvados e bastante arborizado, atraindo bastantes entusiastas da corrida residentes nesta parte da cidade. Dispõe de muitos equipamentos e serviços que o complementam para além do desporto. Ideal para secções longas de corrida ou intervalada com diversas àreas de repouso e apoio.
Percurso total: +/- 2.75 km  | Dificuldade: 2 (1-5) | Pontos fortes: Grandas áreas e muito bem equipadas | Piso: Calçada portuguesa e asfalto

Onde: Alameda das Linhas de Torres, 1769 – 008 Lisboa
Como lá chegar: Autocarro: 7, 36, 106, 108, 701, 777 | Metro: Quinta das Conchas (linha amarela)
Observações: Há parqueamento fácil e grátis | Horário: Das 6h00 à 1h00 | Área: 24ha

 7. Parque das Nações

A zona do parque das Nações é excelente para a prática da corrida e ao seu próprio traçado. A diversidade de percursos torna este local único e dinâmico onde pode apreciar o melhor da arquitectura contemporânea realizada em Portugal. Para além desta àrea pode também explorar os caminhos do Jardim do Passeio dos Heróis do Mar mesmo junto à ponte Vasco da Gama.
Perímetro do circuito: 5 km | Dificuldade: 2 (1-5) | Pontos fortes: Equipamentos modernos e segurança | Piso: Calçada portuguesa e gravilha

Onde: Alameda dos Oceanos, 1900 Lisboa
Como chegar: Autocarro: 28, 44, 208, 400, 705, 708, 759, 782 | Metro: Oriente (linha vermelha) | Comboio: Oriente (linha da Azambuja e de Sintra)
Observações: Parqueamento fácil | Horário: Livre | Área: 340ha

 8. Estádio Universitário

O Estádio Universitário é a melhor infraestrutura de Lisboa  para a prática de diferentes modalidades desportivas. O piso é bastante variado, contudo a maior parte do percurso é realizado em terra batida e gravilha pelo que se aconselha uns ténis adequados ao efeito. A cobertura vegetal e os bebedouros espalhados pelo circuito são umas das mais-valias. Ideal para todo o tipo de corrida.
Perímetro do circuito: 2,7 km | Dificuldade: 2 (1-5) | Pontos fortes: Fácil acessibilidade e estimulante | Piso: Alcatrão, terra batida, cimento e gravilha

Onde: Avenida Professor Egas Moniz, 1600 Lisboa
Como chegar: Metro: Cidade Universitária (linha amarela) | Autocarro: 731, 735, 738, 755, 764, 768
Observações: Há balneários | Horário: 7h às 23h dias úteis ; sáb. e dom. das 8.00h às 19h00h |Área: 40ha

 9. Parque da Bela Vista

O Parque da Bela Vista encontra-se dividido em 4 zonas, 2 delas as ideias para a corrida: a zona central (zona do rock in rio) e a zona sul. É a segunda maior área verde de Lisboa, depois do Parque de Monsanto. Este parque oferece grandes zonas arborizadas e de relvado em condições satisfatórias e com zonas variadas para topo o tipo de gostos: planas, subidas e descidas de várias intensidades permitindo diferentes tipos de percurso e de intensidade. É de realçar as panorâmicas de certos pontos sobre a cidade e o rio.
Perímetro do circuito: 5km | Dificuldade:  4 (1-5) | Pontos fortes: Percurso extenso e não repetitivo | Piso: Alcatrão

Onde: Avenida Dr. Arlindo Vicente, 1900 Lisboa
Como lá chegar: Autocarro: 5, 10, 17, 21, 22, 708, 755, 794 | Metro: Bela Vista (linha vermelha)
Observações: Estacionamento fácil | Horário: Livre | Área: 85ha

 10. Parque Urbano Vale do Silêncio (Olivais)

Este parque é um bom exemplo de um espaço bem conseguido em prol do desporto e do lazer. A sua área é quase toda relvada com caminhos asfálticos, via ciclável, bebedouros e circuitos de manutenção. É bastante utilizado pela população local tornando-se assim um local recomendado e seguro para quem procura uma corrida relaxada, tal como o próprio nome do parque nos sugere.
Distância do circuito: 1,6 km | Dificuldade: 3 (1-5) | Ponto forte: Segurança e Boas condições |Piso: Alcatrão

Onde: Avenida Cidade de Lourenço Marques, 1800 – 100 Lisboa
Como chegar: Metro: Olivais (linha vermelha) | Autocarro:  21, 31, 79, 708, 759
Observações: Livre | Área: 8ha

 11. Mata de Alvalade

O Parque José Gomes Ferreira, ou Mata de Alvalade como é vulgarmente conhecido, é o local recomendado para uma corrida descontraída em ambiente familiar e de pura natureza. A manta arbórica é bastante desenvolvida criando percursos sombreados. Opte pela caminhada ou pela corrida na vasta rede de caminhos pedonais e usufrua dos percurcos de manutenção e das àreas de lazer que o mata oferece.
Perímetro do circuito: 2,7 km | Dificuldade: 2 (1-5) | Pontos fortes: Descontração e ambiente familiar | Piso: Terra batida e Gravilha.

Onde: Avenida Almirante Gago Coutinho, 1700 Lisboa
Como chegar: Autocarro: 5, 17, 21, 22, 31, 44, 83, 745, 750, 755
Área: 21ha | Horário: Livre

12. Paredão do Estoril

O famoso “calçadão” português convida a uma corrida lenta, perfeito para o jogging. Este percurso que vai de Cascais até ao São João do Estoril é um passeio revigorante para o corpo e para a mente sempre acompanhado pela magnífica panorâmica do mar. O local ideal para passar um invejável final de tarde ou para manter a forma ao fim de semana enquanto aproveita de um belo dia de sol.
Perímetro do circuito: 3 km | Dificuldade: 1 (1-5) | Pontos fortes: Refrescante e Estimulante |Piso: Pedra

Onde: Paredão Estoril, 2765 Estoril
Como chegar: Comboio: São João do Estoril (linha de Cascais)
Observações: Utilize os transportes públicos | Horário: Livre

A lista podia ser muito mais elaborada. Podiamos contemplar a Mata de Benfica com as suas rampas, o Paredão de Oeiras com mais de 3 kms de extensão, o Caminho pedonal entre Alhandra e Vila Franca de Xira com a sua bonita paisagem, a Mata de Queluz com os seus trilhos, o Parque Urbano da Póvoa de Santa Iria acabado de inaugurar… A lista é interminavel, é preciso descobrir os nossos locais favoritos tendo em conta a disponibilidade e acessibilidade de cada um, já para não falar dos gostos pessoais e objectivos.

Fonte: http://www.ondelisboa.com/

http://greensavers.sapo.pt/