Arquivo de maratona

Maratona do Porto – Registo de treinos.

Posted in 2017 / 2018, Treino with tags , on 27 de Junho de 2017 by José Pedro

MaratonaPorto2017

A época ainda não terminou e já estou com o pensamento na próxima.

A partir do dia 10 de Julho vou iniciar a minha preparação para a Maratona do Porto. A partir dessa data vou dar inicio ao registo semanal no blog dos meus treinos até ao grande dia.

O registo vai servir para meu controlo, auto motivação e de possível orientação para quem quer meter-se nesta aventura de 16 semanas de preparação.

Maratona à moda do Porto.

Posted in Desabafos, Uncategorized with tags , , on 6 de Janeiro de 2017 by José Pedro

captura-de-ecra-151

Como se costuma dizer: ” Não há duas sem três “. Depois de fazer a Maratona de Lisboa em 2011, no antigo percurso e em 2013 no novo, resolvi inscrever-me na Maratona do Porto 2017.

Após a minha estreia na distância fiz um acordo comigo próprio que iria fazer uma maratona de dois em dois anos para não massacrar muito o corpo ( principalmente os meus joelhos ), para não provocar um grande desgaste e porque treinar para uma maratona consome muito do nosso tempo livre.

Como poucas coisas da vida são certas, depois de uma demorada lesão em 2014 tive que deixar essa ideia de lado. A recuperação foi longa, o retorno também não foi fácil e precisei de algum tempo para voltar a correr distâncias mais longas.

Depois  um longo processo de voltar a ter confiança nas minhas capacidades em distâncias mais longas, chegou a vez de consolidar a forma física até poder enfrentar a maratona.

A escolha recaiu no Porto por ouvir falar muito bem da organização, do percurso, do incentivo que se tem ao longo do percurso e por querer experimentar algo diferente.

Se tudo correr dentro do previsto, irei começar a treinar em Julho com um único pensamento: estar em  Novembro na Invicta para enfrentar pela terceira vez os míticos 42,195 metros.

Até lá é continuar a treinar com muito juízo!

Maratona do Porto 2017 – Abertura de inscrições.

Posted in Calendário de Corridas, Uncategorized with tags , , , , on 12 de Dezembro de 2016 by José Pedro

maratonaporto2017

A malta do Norte não brinca em serviço e no dia 15 de Dezembro de 2016 já se pode inscrever para a Maratona de 2017. Geralmente os preços são em saldo até ao final do ano, é de aproveitar!

Maratona do Porto 2017 – informações e inscrições

Treino de um maratonista de elite

Posted in 2014/2015, Curiosidades sobre corridas., Noticias with tags , , on 25 de Setembro de 2014 by José Pedro

wilson kipsang

Já tiveste curiosidade de saber qual o plano de treinos de um maratonista de elite? Fica aqui uma pequena ideia do treino da semana passada do recordista mundial Wilson Kipsang.

Não nos podemos esquecer que todos os treinos são realizados em altitude.

Segunda – 18km a 3:30/km (ou mais rápido). É uma rodagem em ritmo moderado.
À tarde: 40min de trote (e quenianos costumam trotar bem de leve)

Terça – 10x1km a 2:50 (ou mais rápido). É o ritmo de meia maratona dele, o ritmo que ele consegue sustentar por 1h.

Quarta – 1h10min trote (quase 16km, cerca de 4:20/km)

À tarde – musculação

Quinta – Fartlek – 20 x 2min forte, 1min fraco

À tarde – 50min trote

Sexta – 1h trote (4min/km)

À tarde – musculação

Sábado – 35km em 1h54min (cerca de 3:15/km)

Domingo – descanso

 

Fonte: Runner´s World Brasil

Maratona de Lisboa 2013: do paraíso ao inferno.

Posted in 2013/2014, As minhas corridas with tags , , , on 18 de Outubro de 2013 by José Pedro

maratonalisboa

Vídeo da chegada à meta.

Acordei cedo para enfrentar a minha segunda maratona. Deixei tudo preparado de vespera, tomei um bom pequeno-almoço e apanhei boleia até ao Cais do Sodré.

No meio de muitos outros atletas que iriam enfrentar tão mítica distância,  a viagem de comboio parecia uma eternidade. nunca mais chegava ao ponto de partida para mais uma aventura desportiva.

Cheguei cedo! Resolvi dar uma volta pela zona para acalmar a ansiedade. Encontrei-me com o meu “companheiro de armas” que iria ser o meu travão nos primeiros quilometros. Fomos perder algum peso ao wc, alongamos, alimentamo-nos e colocamo-nos na parte final do pelotão.

Antes da partida descobri que tinha-me esquecido do meu relógio. Fiquei algo apreensivo, ia enfrentar grande parte do percurso sem saber a que ritmo ia. Não fiquei nada contente saber que não ia ter o meu principal conselheiro durante a corrida.

Saimos com um ritmo muito calmo. A paisagem era bonita, havia muitos atletas à nossa volta e os quilometros passavam facilmente. Com o passar do tempo sentia cada vez as pernas mais soltas, mas contive-me e mantive-me num ritmo perto dos 6 min./km.

10 km – 1:00:36 h

Pouco depois dos 10 kms resolvi aumentar um pouco o meu ritmo e despedir-me da minha companhia. As pernas respondiam bem e fui-me deixando ir naquele ritmo confortavel sem nunca forçar. A passagem pelo interior de Oeiras soube muito bem e a subida logo a seguir foi feita sempre com muita calma. Ia-me sentindo bem quilometro após quilometro sem grandes problemas.

21 kms – 2:00:23 h

Não sabia a que ritmo ia, mas estava tudo a correr bem e encaminhava-me a largos passos para uma das piores zonas do percurso. O “deserto” entre Algés e o Cais do Sodré, sem qualquer sombra e sem fim à vista  e com o sol a começar a castigar. A partir dos 26 kms começo a sentir o gémeo esquerdo a ficarem tenso Abrandei um pouco o ritmo, mas não sentia melhoras. Parei por alguns segundos para fazer alongamentos. A situação melhorou um pouco, mas continuava a sentir-me desconfortavel.

30 kms – 3:00:45 h

No abastecimento aconteceu o que vinha a ameaçar, deu-me uma caimbra que me deitou ao chão. Estiquei os musculos, passei água e tentei recuperar o mais breve possivel. Meti-me em ritmo de corrida muito lento. Fui recuperando aos poucos e à passagem pelo empedrado do Rossio tive novamente ameaças. Tentei não caminhar, mas aos 34 km não conseguia correr com tantas ameaças de caimbras. Fui caminhando com esperança que pudesse melhorar, mas sempre que tentava correr as ameaças apareciam passado poucas centenas de metros.

40 km – 4:36:09 h

Já vinha a caminhar à quase 6 kms e depois de muitas tentativas, iria tentar uma ultima vez e assim cortar a meta a correr. Logo a seguir à subida da entrada do Parque das Nações, parei para massajar as pernas. Nesse momento passa por mim o meu ” companheiro de armas “. Aproveito a boleia dele e lá vou “fingindo” que corro. Os ultimos metros vão passando lentamente até que avistamos a meta. Aí sabia que a segunda maratona já não escapava e cortamos a meta com o sentimento de missão cumprida, mesmo sendo muito sofrida.

Tempo Real: 4:50:28 h

Tempo Oficial: 4:53:02 h

Agora é descansar, ver o que correu mal para rectificar numa futura participação e preparar-me para novos objectivos.

A minha estatégia para a Maratona de Lisboa 2013

Posted in 2013/2014, Dicas with tags , , , , , on 4 de Outubro de 2013 by José Pedro

estratégiamaratona

A dois dias da maratona começo a pensar que estratégia irei usar na maratona de Lisboa.

Para mim tudo começa no dia anterior: refeições ligeiras, muita água, preparar equipamento e deitar cedo.

Vou levantar-me cedo e apanhar o comboio das 8 horas no Cais do Sodré. Quero chegar com tempo para descontrair, ir à casa de banho, alimentar-me, aquecer as articulações e alongar sem pressas.

O aquecimento será feito na própria corrida, 42,2 kms dá para tudo. Os primeiros quilometros são para ser feitos lentamente e em ritmo descontraido. Para não cair em exageros logo no início, vou seguir bem de perto uma “lebre” lenta que vai obrigar a gerir melhor a corrida. Quando sentir as pernas soltas, já sei que o ritmo vai aumentando e ficarei o resto da corrida por minha conta. Não é nada que não aconteca nos treinos, é algo natural e gradual, de forma a não desgastar-me rápidamente.

Como os abastecimentos são importantes também tento levar a coisa minímamente planeada. Não pretendo parar em todos os abastecimentos, a não ser que esteja muito calor ou veja que tenho mesmo necessidade.  ” Parar ” em todos os abastecimentos pode não trazer benefícios ou mesmo prejudicar o ritmo imposto.

Como tal, pretendo fazer da seguinte maneira:

5 km: água

10 km: Powerade

15 km: água + barra gel

20 km: Powerade

22.5 km: Banana

25 km: água + barra gel

30 km: água

33.5 km: água + Powerbar

35 km: Banana

36 km: água

38 km: Powerade

Por experiência própria sei que durante a corrida a estratégia pode cair completamente por terra, seja por estar a correr bem ou mal. Uma coisa é certa, sinto-me mais confiante  sabendo que a corrida vai minímamente planeada.

Maratona de Lisboa 2013 em análise (actualizado).

Posted in 2013/2014, Dicas with tags , , , , , , on 30 de Setembro de 2013 by José Pedro

Falta menos de uma semana para mais uma participação na maratona de Lisboa. A ansiedade está instalada, fazem-se os ultimos treinos e começa a preparação logistica.

Um dos mais importantes é o estudo prévio do percurso para não haver supresas desagradaveis.  Com um percurso tão longo é normal haver partes mais faceis e outras que poderá trazer dificuldades acrescidas.

percursomaratonalisboaNa minha participação, vou ter especial atenção ás seguintes partes do percurso:

– 12/13 kms: vai-se apanhar algumas subidas ligeiras e algum empedrado.

– 15 kms: ligeira subida mas algo longa logo a seguir à Praia de Santo Amaro.

– 31 kms: ida aos Restauradores passando pelo empedrado do Rossio.

– 39 kms: ligeira subida à entrada do Parque Expo.

– 41 kms: empedrado no Parque Expo até chegar à meta.

Os empedrados e as subidas são as minhas principais dificuldades, principalmente no fim do percurso onde pode alterar o ritmo e obrigar a um desgaste maior.