Arquivo de Fevereiro, 2016

À conquista da Invicta.

Posted in 2015 / 2016, Treino with tags , , , , on 23 de Fevereiro de 2016 by José Pedro

RibeiraPorto

Durante as minhas visitas ao Porto fiquei sempre com vontade de experimentar correr ao longo do rio Douro, passar pela Foz e chegar ao inicio do oceano Atlântico. Também é uma parte do percurso usado durante a Maratona do Porto e é ver um mar de gente a praticar desporto ao longo dos 10 quilómetros que liga a zona da Ribeira do Porto a Matosinhos.

Sabendo que iria à Invicta e que iria ter muito tempo livre, levei o meu equipamento e no sábado de manhã meti-me à estrada.

Porto a Matosinhos

Foram 10 quilómetros de puro prazer. O percurso é quase sempre plano, muitas pessoas, uma paisagem de luxo e um sol de inverno fantástico que me fez companhia.

Se já andava com vontade de me estrear a Norte, ainda fiquei com mais vontade!

Pode ser que regresse novamente em Novembro.

20 Kms Cascais 2016 – Cascais é sempre Cascais

Posted in 2015 / 2016, As minhas corridas, Uncategorized with tags , on 15 de Fevereiro de 2016 by José Pedro

Captura de Ecrã (37)

No domingo pus mais uma corrida 20 kms de Cascais no meu curriculum. Treinei duro para enfrentar uma prova que não é fácil. Pus na minha cabeça que pretendia acabar com o ritmo médio a rondar os 5:10 min/km, mas tinha muitas duvidas se iria conseguir. Não tinha a percepção de qual seria a minha forma física e os últimos quilómetros da prova são os mais duros, não contando com o vento contrario.

Como fiquei na parte de trás do pelotão, sai lento e cauteloso. Os primeiros quilómetros da prova dentro da vila foram feitos ao sabor das subidas e descidas constantes, não conseguindo meter um ritmo certo. Sentia-me bem e deixei-me ir, tentando-me poupar para a parte mais dura do percurso.

5 Km: 27:00 min.

Assim que me apanhei a caminho do Guincho e com a estrada ligeiramente a descer, aumentei o ritmo. Como o vento soprava em sentido contrario, sendo uma barreira a ritmos mais fortes e com a subida no pensamento, afrouxei a velocidade e a ideia era deixar-me ir confortavelmente até ao retorno. Ainda apanhei a boleia de dois atletas da ” Açoreana ” que passaram por mim e que iam a um ritmo um pouco mais rápido que o meu e que poderiam ser as lebres ideias e que dariam uma ajuda a cortar o vento.

10 Kms: 52:10 min.

Permaneci colado às minhas lebres e assim que viramos em direcção a Cascais, o vento deixou de ser um travão e o ritmo aumentou naturalmente. Foram alguns quilómetros em ritmo crescente, até que a estrada começou a ter uma inclinação mais acentuada. Por volta dos 14 kms deixei fugir as minhas lebres, continuam em ritmo crescente e preferi resguardar-me para os quilómetros mais duros não me metendo em loucuras.

15 kms: 1:16:29 h.

A longa subida ia fazendo estragos e ia sentindo algumas dificuldades em manter o ritmo. Resguardei o melhor possível para enfrentar a subida mais inclinada entre o quilometro 16 e 17, mesmo assim foi uma luta constante para não cair na tentação de baixar em demasia o ritmo e depois não conseguir retomar. Assim que o terreno ficou um pouco mais plano, tentei recuperar um pouco e sentido-me melhor voltei a aumentar o ritmo. Embalado por saber que os últimos dois quilómetros são praticamente a descer, fui sempre no limite até cortar a linha de meta e ainda consegui alcançar as minha lebres a poucas centenas de metros do final.

Tempo Real: 1:41:04 h

Captura de Ecrã (38)

Tempo Oficial: 1:42:23 h.

Captura de Ecrã (39)

O desempenho foi bastante acima das minhas melhores previsões, muito se deve ao conhecimento que tenho do percurso e de ser uma prova do meu inteiro agrado.